Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento

Programa de inseminação artificial visa melhorar rebanho e qualidade do leite em Araucária

O serviço de inseminação artificial prestado gratuitamente pela Prefeitura de Araucária tem ajudado pequenos produtores rurais a melhorar a qualidade do rebanho de gado leiteiro e, por consequência, do leite produzido nas propriedades rurais. O sêmen utilizado é fornecido pela Prefeitura, assim como o técnico que realiza o procedimento. O programa já ocorre há 15 anos e ganhou novo impulso desde o ano passado.

Janete e Jair Gadomski, mãe e filho, hoje possuem 36 bovinos (entre vacas e novilhas) na propriedade na região do Lagoa Suja. Destes, 15 animais são resultado de inseminação artificial realizada pela Prefeitura (sem falar em outros que eles já venderam). “As vacas que vêm [nascem] são boas de leite”, avaliaram. Na propriedade já é a 3ª geração de novilhas geradas a partir desse procedimento.

Eles contam que há cerca de 9 anos já produziam queijo e requeijão com o leite obtido na propriedade e que com o passar do tempo decidiram se dedicar exclusivamente à produção e venda do leite in natura para empresas. Há um ano, o leite passou a ser a fonte principal da família. Na propriedade dos Gadomski, a decisão foi por misturar as raças Jersey e Holandês visando a melhora no teor de gordura do leite, no comportamento do animal e na sua resistência a doenças. Há fêmeas que nasceram de inseminação artificial na propriedade e que hoje produzem de 35 a 40 litros de leite/dia.

'Tempo é dinheiro' – Quando se trata de produção leiteira todo detalhe é muito importante para definir lucro ou prejuízo. Jair entendeu que a expressão 'tempo é dinheiro' se aplica a esta área e, com apoio da Prefeitura e do Senar, participou recentemente de um curso de imersão sobre gado leiteiro, em Castro-PR. Além disso, o produtor rural vai passar a realizar o procedimento de inseminação artificial. Com isso, as vacas que entrarem no cio durante o fim de semana poderão ser atendidas por ele e a produção de leite na propriedade ser ampliada. “Se a genética for muito boa é possível ter leite durante 10 meses”, afirmou o produtor. A família Gadomski revela que já chegou a pagar R$ 600 em inseminação artificial e não obteve o retorno esperado.

O serviço de inseminação influencia na qualidade do leite, que é avaliado todo mês pela empresa compradora e pode gerar um bônus (em dinheiro) por qualidade ao fornecedor. Mas, também importante para determinar a qualidade do leite, é o acompanhamento gratuito realizado pelos técnicos da Prefeitura para garantir a saúde e bem-estar animal, por meio de procedimentos (incluindo vacinação), orientações e cursos. O produtor rural pode obter mais informações pelo telefone: (41)3614-7530.

Atendimentos - Nos primeiros três meses de 2018, a Prefeitura realizou 99 procedimentos gratuitos de inseminação artificial. Em todo o ano de 2017 foram 316. O técnico em inseminação artificial João Pedro Bento, servidor da Prefeitura, realiza esse procedimento há 15 anos. Este trabalho já está na 6ª geração de novilhas geradas a partir de inseminação artificial em Araucária.

Segundo o servidor, o curto período de cio da vaca faz com que ele tenha de 6h a 12 horas para realizar o procedimento (com 1 a 2 minutos de duração). É comum que João Pedro saia para um atendimento no campo e, ao longo do caminho, receba mais solicitações. A Prefeitura fornece gratuitamente o sêmen para as raças Jersey, Holandês (preto e branco e vermelho e branco), Gir leiteiro, e Pardo Suíço. O material tem origem diversa para garantir a variação genética, fator importante para a qualidade do rebanho.

Data da Publicacão: 13/04/2018